Politica

Wilker participa de reunião com secretário de Educação

O deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) cobrou nesta quarta-feira (13), durante reunião da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), que o secretário de Estado de Educação e Desporto (Seduc), Vicente Nogueira, apresente os documentos referentes ao contrato do Governo do Amazonas com a Dantas Transportes, empresa que realiza o transporte escolar na capital e no interior e que está envolvida em suposto esquema de corrupção.

No encontro, que teve a presença do titular da pasta e parlamentares da base governista na Assembleia, Nogueira se comprometeu a enviar toda a documentação para os deputados da Casa, o que para o Líder da Minoria, vai ajudar a esclarecer todas as dúvidas que pairam sobre o contrato da empresa de transportes. “Questionei sobre o pagamento de R$ 18 milhões para a Dantas para a contratação dos monitores, se assinaram as carteiras e se houve dano ao erário. Ele se comprometeu a enviar todo o processo de pagamento da Dantas para compartilhar com os deputados e a sociedade. Simples assim, até hoje não entendi a dificuldade do ex-secretário (Luiz Castro) vim à esta Casa para uma conversa técnica”, explicou Barreto.

Merenda escolar

O parlamentar questionou também sobre os contratos de merenda escolar firmados pelo Governo, onde os números apontavam um superfaturamento nos preços dos lanches, fornecidas pelas empresas G.H. Bento Macário e Bento Martins de Souza Eirelli. “Cobrei também sobre os pagamentos das merendas prontas, quero saber por que as empresas aumentaram o valor do lanche de R$ 2,50 e R$ 2,80 para R$ 4 de forma emergencial. Dentro do corpo do projeto, quero saber os motivos da majoração desses preços”, ponderou o deputado.

Escola Indígena

Wilker Barreto aproveitou a visita de Vicente Nogueira para questionar a situação da Escola Estadual Indígena Professora Elécia Campos Manduca, que fica na comunidade Umariaçú 2, na cidade de Tabatinga, que há três anos está sem energia elétrica, prejudicando mais de 300 alunos. “Gostaria de um posicionamento do Governo sobre a escola Elécia, uma belíssima instituição, mas que não recebe energia elétrica e prejudica mais de 300 alunos matriculados. Detalhe, o poste de luz fica há 50 metros de distância da escola. Gostaria que fossem resolvidos os problemas para o próximo ano”, comentou Wilker.

Contrato com Hapvida

Por fim, o parlamentar citou sobre o plano de saúde da Hapvida, criticando o atendimento limitado aos servidores da Seduc que atuam no interior do Amazonas, sem proporcionar condições de tratamento a 55% da classe. “Os professores do interior até possuem plano de saúde, mas precisam fazer seus exames aqui em Manaus, ou seja, imagina quem mora em Tonantins e precisa se deslocar até aqui, gastando do seu próprio dinheiro, é desumano. Estamos falando de um contrato de R$ 60 milhões”, alertou o deputado, sugerindo ainda que as cidades-polo ofereçam os atendimentos prioritários, deixando os exames de alta complexidade para a capital.