Saúde

Entenda a importância da vacina contra a H1N1

Quase 80% da população paranaense têm direito à vacina contra a Hepatite B. Foto: SESA

O infectologista e professor de medicina da UNIFRAN Homero Rosa Junior alerta para a importância de tomar a vacina. “Com o início do inverno, o quadro epidêmico pode se tornar ainda mais grave, já que o tempo seco e frio tende a piorar as doenças respiratórias”, comenta.

O especialista ainda explica que a vacina confere uma proteção bastante eficaz por cerca de seis meses e é muito importante principalmente para as pessoas mais vulneráveis ao agravamento da gripe – crianças com menos de 2 anos, idosos, grávidas, pessoas com doenças pré-existentes, como diabéticos, obesos, pacientes em tratamento de câncer e AIDS. “A H1N1 é mais agressiva que uma gripe comum e pode levar o paciente a um quadro de pneumonia com insuficiência respiratória grave”, completa. 

O professor esclarece que a vacina não induz ao quadro de gripe, pois é produzida com o vírus inativo. A contra indicação absoluta é para as pessoas que anteriormente apresentaram reações alérgicas a algum componente da vacina ou ao ovo. A vacina fornecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é trivalente e protege contra os vírus influenza A (H1N1), influenza A (H3N2), e influenza B (subtipo Brisbane).

Você sabe quais os principais sintomas da gripe H1N1? Sobre o assunto, o Cotidiano convidou a pediatra e endocrinopediatra, Fernanda Trolezi.

 Ela alerta que a gripe H1N1 passa pelo contato de mãos e principalmente via respiratória, como espirro e tosse, e por isso deve-se evitar lugares fechados. “O período de incubação do vírus é de um a quatro dias, mas a transmissão pode ocorrer até antes de 24h antes do sintoma e durar até 10 dias depois do aparecimento dos sintomas”, diz. 

Sobre a diferença entre a gripe H1N1 para as outras gripes, a médica ressalta que todas são causadas pelo influenza, mas com sintomas bem leves.

De acordo com a pediatra as relacionadas ao H1N1, as queixas são mais intensas, como febre alta, dores musculares, nas articulações, dor de cabeça intensa, de garganta, falta de apetite e cansaço.