Educação Politica

Carlinhos Bessa destaca a melhoria da qualidade da merenda escolar oferecida no AM

A dispensa de licitação para a compra de merenda escolar feita pela
Secretaria de Educação do Amazonas (Seduc), de forma emergencial,
voltou a ser pauta do Grande Expediente dessa quarta-feira (20) na
Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam). O deputado
estadual e líder do Governo, Carlinhos Bessa (PV) usou a tribuna do
Plenário Ruy Araújo para esclarecer, mais uma vez, os valores do contrato.
O líder iniciou o pronunciamento lembrando a reunião realizada pela
Comissão de Educação da Aleam, na última semana, com a presença do
titular da pasta, Luiz Castro, e lamentou a ausência dos parlamentares de
oposição durante todo o encontro.
“O secretário veio a essa Casa para explicar todos os detalhes sobre as
ações emergenciais adotadas pela secretaria de Educação para garantir o
fornecimento de merenda escolar no início do ano letivo. Respeito o
posicionamento da oposição no Parlamento, pois servem para que
possamos ficar alerta sobre todas as atividades realizadas pelo Governo do
Estado, mas me entristece voltar a debater um assunto que foi tratado e
detalhado durante a reunião com o secretário da pasta”, disse.
Bessa afirmou que não é admissível comparar o preço praticado no
passado diante da péssima qualidade do que era fornecido às escolas, com o
fornecimento atual. “Os nossos estudantes merecem merenda escolar da
melhor qualidade. Antigamente, como já ressaltei nessa tribuna, os alunos
comiam bolacha com chá da folha de jambo e os alimentos eram entregues
com tapurus e caramujos. O preço do fornecimento teve aumento pela
melhoria da qualidade do que está sendo entregue e tais ações estão sendo
fiscalizadas por uma equipe de fiscalização e controle da Seduc”, ressaltou.
A prática do “mergulho de licitação” foi apontada pelo parlamentar
como um dos fatores agravantes para a alimentação que era entregue.
“Muitas empresas colocam valores inferiores à realidade comercial para
ganharem o processo licitatório, mas a entrega dos alimentos não
correspondia ao que foi proposto. Essa prática, conhecida como “mergulho
de licitação” não pode mais ocorrer e o governador Wilson Lima (PSC)
está trabalhando para garantir isso”, concluiu.
Texto: Assessoria do Deputado